TAXA DE DESEMPREGO DIMINUI EM 2014

05-02-2015 10:52

 
 
 Doc. original Pdf  
NOTA INFORMATIVA:
TAXA DE DESEMPREGODIMINUI EM 2014
 
De acordo com os dados hoje publicados pelo INE, em 2014 a taxa de desemprego em Portugal diminuiu para 13.9%, depois de ter atingido o valor mais alto de sempre em 2013 (16.2%). Este valor traduz-se em 726 mil pessoas desempregadas, ou seja menos 129.2 mil (-15.1%) do que em 2013.
 
O valor agora apresentado fica abaixo das previsões do Governo no Relatório do Orçamento de Estado para 2015, onde a previsão era de 14.2%. Para a UGT, esta diminuição do desemprego é positiva mas deixa-nos algumas reservas uma vez que o fraco crescimento económico (1%) registado até ao 3o trimestre do ano (ainda não são conhecidos os dados do 4ºtrimestre) não é suficiente para uma diminuição do desemprego tão expressiva (- 15.1%).
 
No seu Boletim de Inverno, o Banco de Portugal levantou algumas reservas quanto à evolução do mercado de trabalho em Portugal no último ano. De acordo com aquela Instituição, muito do emprego criado é justificado pelos estágios profissionais financiados pelo Governo, através do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).
 
Esta é uma situação bastante preocupante, dado o carácter incerto destas medidas, uma vez que com o fim destes estágios, o desemprego poderá voltar a aumentar, afectando negativamente não só as condições de vida e o bem-estar dos trabalhadores e suas famílias, mas também os níveis de produtividade e competitividade das empresas.
 
Os dados agora revelados mostram bem a precariedade dos empregos criados em 2014, uma vez que se regista um maior aumento dos contratos com termo (+5.7%) face aos contratos sem termo (4.4%).
 
Perante este cenário a UGT considera fundamental a promoção da qualidade do emprego criado. Não é suficiente promover e monitorizar a criação de empregos, é fundamental promover e monitorizar também a qualidade do emprego nas suas múltiplas dimensões, tais como a segurança do emprego, a qualidade intrínseca do emprego, o diálogo social, as desigualdades salariais, entre outras. 
 
Note-se que nos últimos meses do ano a taxa de desemprego já voltou a aumentar, embora ligeiramente, depois de ter registado mais de 18 meses de descidas consecutivas, tendo atingido o valor mais baixo em Setembro (13.3%).
 
Reflexo desta evolução é o facto da taxa de desemprego no 4o trimestre ter subido face ao trimestre anterior. No último trimestre do ano a taxa de desemprego foi de 13.5%, ou seja estavam desempregadas 698.3 mil pessoas (+ 9.4 mil do que no trimestre anterior). No 3o trimestre a taxa de desemprego tinha sido 13.1%, o equivalente a 688.9 mil desempregados.
 
Na análise dos dados hoje apresentados pelo INE, existem ainda duas realidades que nos merecem especial atenção:
 
  1. Desemprego Jovem: apesar de ter vindo a diminuir, seguindo a tendência geral, o desemprego jovem mantém-se em       níveis demasiado elevados, atingindo mais do dobro da taxa de desemprego total. Em 2014 a taxa de desemprego entre os 15 e os 24 anos foi de 34.8%, atingindo 131.4 mil jovens desempregados (menos 17 mil do que em 2013). 
  2. Desemprego de Longa Duração: apesar de registar uma diminuição (-10.4%) face ao ano anterior, o desemprego de       longa duração (desempregados há pelo menos 12 meses), representa cerca de 65.5% (475.8 mil) do desemprego total.
A situação é ainda mais preocupante se tivermos em consideração que do total dos desempregados de longa duração, 67.2% (319.6 mil) se encontram no desemprego há pelo menos 2 anos, revelando grandes dificuldades de reinserção dos desempregados no mercado de trabalho.
 
Após vários anos de austeridade e com o fim do Programa de Ajustamento Financeiro, a UGT considera que em 2015 é fundamental dar prioridade a políticas que promovam maior crescimento e emprego, em especial através de mais e melhor investimento público, que estimule o desenvolvimento e a competitividade do País.
 
É preciso criar condições para o reforço do investimento privado e, através do crescimento real dos salários e das pensões, permitir a recuperação do consumo privado, importante alavanca para o crescimento económico.
 
Para a UGT, apesar da diminuição da população desempregada em 2014, o desemprego permanece ainda a níveis elevados, pelo que o seu combate deve ser uma das prioridades da política económica e social.
 
04.02.2015

Voltar

Contactos

Sede: Staaezn
Rua da Constituição, 814
5º sala 28
4200-195 Porto

Telefones: 226 084 476

Telemovel: 966 823 183

Sugestões de melhorias

Por favor preencha os seguintes campos:

Sindicato dos Técnicos Superiores, Assistentes e Auxiliares da Educação da Zona Norte

Desenvolvido por STAAE Zona Norte